Quarta-feira, 23 de Fevereiro de 2011

...

 

Diria que foi um Verão quente, o de 1984, pelo menos para José Rocha Vieira e a equipa que dirigia no semanário “Tal & Qual” (nascido do programa de TV com o mesmo nome de Joaquim Letria). Foi ali que se descobriu o “caso” Dona Branca  - a mulher que aceitava depósitos com juros a 10% - numa reportagem de Hernâni Santos (que começou em 1983, com as primeiras noticias sobre o caso, mas só um ano depois se tornou assunto nacional), e depois foi só uma questão de, como se diz na gíria, não largar o osso. O jornalismo do “Tal & Qual” era assim: vivo, popular, forte, ousado. Terá tido aqui um dos seus momentos de glória. Custava 15 escudos, à sexta-feira, e tenho saudades de o ver nas bancas...

publicado por PRD às 01:04
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011

...

Esta fotografia, roubei-a do Facebook do meu amigo António Macedo. Ali está ele, com o Viriato Teles, prontos para jogarem futebol com o mestre Chico Buarque, que veio a Lisboa cantar, mas nunca perdoa a clássica “peladinha”, onde quer que aterre ou esteja. A fotografia é exemplar por todos os motivos – as imagens de cada um, o logo antigo da TAP na t-shirt do cantor, uma postura (de todos os intervenientes) descontraída, tranquila, de um tempo em que parecia haver tempo para tudo e espaço para todos. Algum do melhor jornalismo cultural que então se fazia resultava justamente deste jeitinho para conjugar o trabalho com o convivio...

Perguntei ao António o ano da foto: 1988. O ano em que o Carlos Pinto Coelho achou que eu tinha jeito para fazer televisão...

Não sou o exemplo acabado do saudosista. Mas às vezes penso no tempo que nesse tempo tínhamos nem que fosse para jogar futebol com um cantor que chegava por aí com genica...

publicado por PRD às 22:48
link do post | comentar | favorito
Sábado, 5 de Fevereiro de 2011

...

 

Passou um pouco despercebida, mas mexeu comigo a morte de John Barry, um dos mais relevantes compositores de bandas sonoras de cinema do século XX. Da sua vastíssima obra destaca-se, obviamente, o trabalho continuado para os filmes de James Bond, ao qual ficará ligado para a eternidade. Sou pouco dado ao “modo fã”, mas abro uma excepção para 007 – realmente, admiro a figura, os filmes, todos os actores que o representaram, os exageros, os romances, os carros destruídos. E quando li a noticia da morte de Barry lembrei-me que, há oito anos, o Museu da Ciência de Londres albergou uma exposição divertidíssima alusiva ao universo de James Bond - e eu estive lá. A fotografia do Z4 literalmente “aberto” ao meio foi tirada por mim, nessa tal Bond Exhibition, obviamente servida pela musica de John Barry, onde se experimentavam diversos níveis de interactividade, numa antecipação tecnológica do mundo que hoje vivemos.

Lembrei-me da exposição, de Bond, e bom: aqui fica mais uma imagem para este passado que vou revisitando regularmente...

publicado por PRD às 23:57
link do post | comentar | favorito

nota

Clique nas imagens para ver em tamanho maior.

links

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 17 seguidores

pesquisar

Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

arquivos

Setembro 2013

Maio 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

blogs SAPO

subscrever feeds