Terça-feira, 29 de Julho de 2008

...

 

 

Escolhi esta capa da New Yorker de Julho de 1939 para assinalar férias aqui nestas “Pré-Histórias” (o resto do blog mantém-se acordado, embora lentinho como os habitantes da zona de Portugal para onde me desloco...).

Como não levo demasiado carrego comigo, deixo estas memórias iconográficas entregues a si próprias. Ou melhor: entregues a esta belíssima ilustração de Richard Taylor para uma edição estival e colorida da NY.

O que é mais interessante observar na ilustração é que, exceptuando a ausência do biquíni, ainda por inventar nesta altura, toda a imagem de praia que se exibia na capa de uma revista nova-iorquina no final da década de 30 corresponde à imagem massificada da praia de hoje na Europa. Naquele tempo, uma capa de revista portuguesa sobre praia seria bem menos povoada, animada, nem sei mesmo se seria capa ou “natureza morta”...

 

PS: Já agora: o tal de biquíni só foi “inventado” na década de 50 - e como se sabia previamente o efeito que iria provocar na “gajada”, ganhou o nome de um atol (Bikini) onde foi experimentada a bomba atómica...

publicado por PRD às 22:41
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 27 de Julho de 2008

...

 

 

Há 60 anos, a máquina de escrever “para as exigências modernas” era esta Olivetti, representada em Lisboa por um “estabelecimento” cujo nome, hoje, seria pelo menos infeliz: “Sida, lda”...

No Almanaque “Serões”, de 1949, onde encontrei o anúncio, conta-se a história da invenção da máquina de escrever, atribuída ao francês Pierre Foucault - que “crente na inegável utilidade da sua descoberta”, ofereceu um exemplar a Napoleão III. O chenceler da Corte terá respondido à oferta com uma carta em que aconselhava o inventor “a empregar o seu espírito fértil e engenhoso em ideias práticas e realizáveis”.

Foucault abandonou o seu invento, que veio por fim a ser registado nos Estados Unidos da América, em 1873, por Cristóvão Latham Sholes.

(... Da memória sonora mais viva que tenho do meu pai, e dos meus primeiros dias de jornalismo, é justamente do barulho das teclas noite dentro, no primeiro andar do Campo Grande...)

publicado por PRD às 16:46
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 23 de Julho de 2008

...

 

 

A propósito do “debate” aqui no blog sobre a Costa Alentejana, uma fotografia que descobri num livro antigo: Vila Nova de Milfontes, imagem área em 1945... Não tenho fotografia actual para comparar, mas qualquer pessoa que conheça a vila notará as diferenças sem precisar sequer de lupa...

publicado por PRD às 12:32
link do post | comentar | favorito
Domingo, 20 de Julho de 2008

...

 

 
DA SÉRIE REVISTAS QUE ME FAZEM FALTA (IV)

Quando “nasci” para o mundo das revistas e dos jornais, a “Life” estava a entrar na decadência financeira. Os anos 70 (crise do petróleo, pois então...) e a força avassaladora da televisão foram mortais para o conceito de magazine de informação pela imagem. Ao contrário de formatos onde o texto ganhava dimensão, como era o caso da “Time”, a “Life” era a revista das grandes fotoreportagens, o esplendor de gerações de grandes repórteres de imagem (Cartier-Bresson assina a reportagem de capa desta edição de 1955...). Entre 1936 e 1972, estão nas suas páginas os momentos mais exaltantes do jornalismo fotográfico – e da própria arte da fotografia. Foi a revista dramática, apaixonada, vibrante, profunda e inteligente a que a América se rendeu durante quase 40 anos...

Mas no final da década de 60, a “Life” tornou-se editorialmente cara, tecnicamente cara, e sofreu ainda do aumento brutal do preço do papel no começo dos anos 70. Depois de uma morte anunciada em 1972, voltou às bancas em 1978 em edição mensal. Hoje, já só existe na memória de quem a “conheceu” e em edições monográficas pontuais.

publicado por PRD às 13:53
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 15 de Julho de 2008

...

 

 

Fazia muita falta aqui o meu amigo João Gobern para precisar datas: algures, a meio dos anos 80, João Gilberto veio por fim a Portugal para alguns concertos no Coliseu de Lisboa e do Porto.

Toda a gente sabia, na organização dos espectáculos, que João Gilberto era rigoroso, picuinhas e maníaco: o som da sala e de retorno para ele próprio, a distância entre ele e o microfone, a altura da cadeira, o tipo de microfone, tudo era medido e primorosamente acertado e afinado para que o “mestre” se sentisse no seu “habitat” e produzisse um dos seus notáveis recitais. Assim foi feito na tarde antes da estreia.

Fui no primeiro dia e armei-me (uma vez mais...) em fotógrafo.

Tanto quanto apurei na altura, parece que um técnico da organização local passou pelo palco e pela “zona nuclear” de João Gilberto entre o ensaio e o espectáculo, algures na hora de jantar, e terá dado um toque ligeiro no pé do microfone da voz, ou no da guitarra, ou mesmo em ambos, alterando o rigor preciso da sua localização.

Resultado: João Gilberto abriu o espectáculo do Coliseu, executou a primeira canção, queixou-se que algo estava errado no som do microfone, tocou ainda a segunda canção depois do desesperado mergulho de um dos técnicos por sobre aquela paranóia milimétrica, mas parou, desatinou, e foi para o hotel. Não houve mais espectáculo.

Não me lembro se os espectadores viram o dinheiro de volta ou houve espectáculos extra. Como é que foi, João?

Estas fotografias exibem o começo do drama.
publicado por PRD às 14:10
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 11 de Julho de 2008

...

 

 

Houve um tempo em que, além de escrever, eu também fotografava... Achava mesmo que o futuro do jornalismo estava nessa capacidade de sermos multidisciplinares – mas mal sabia quão “vidente” estava a ser e até onde iria esse caminho.

Bom, então fotografava. E encontrei nos meus arquivos esta fotografia, que tirei à Lena d’Água e ao António Manuel Ribeiro, na Costa da Caparica, nos ensaios de um projecto a dois que... nunca viu a luz do dia. Se bem me lembro, era algo mais acústico e suave do que o rock dos UHF e do que o pop que a Lena espalhava sob a fórmula “Vígaro Cá, Vígaro Lá”... Tinha até um produtor inglês interessado na dupla.

Mas a dupla nunca passou desta fotografia e de alguns ensaios. Eram os anos 80 no seu esplendor...

publicado por PRD às 17:07
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 9 de Julho de 2008

...

 

 

Há 32 anos, esta capa da “Flama” – a Paris Match portuguesa, onde meu pai foi jornalista e depois colunista de humor – promovia os pequenos partidos que queriam ir a votos.

Ribeiro Telles está igual ao arquitecto que hoje encontramos, Silva Resende do PDC deve ser o mesmo Antero Silva Resende que fechou “O Dia”. Temos a memória de Acácio Barreiros, que transitou da UDP para o PS. Fico na dúvida: este Carlos Guinote do PCP-ML será o mesmo do Bloco de Esquerda?

Freitas é Freitas. Como Arnaldo Matos e Teotónio Pereira. Onde andarão António José Abreu e João Cardoso?

A imagem do meu amigo Ferreira Fernandes, à época ao serviço da LCI, é notável – porque, exceptuando cabelo e barba, que voaram com o tempo, o olhar “agudo” do jornalista já lá está. Igual ao de hoje.

Trinta e dois anos depois, olhar estas imagens tem a graça do passado e o drama do futuro. Daqui a 32 anos...

publicado por PRD às 02:13
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 6 de Julho de 2008

...

 

No livro “Covering the New Yorker”, que reúne uma selecção das melhores capas de revista norte-americana, encontrei esta capa (Julho de 1993), assinada por Vitaly Komar & Alexander Melamid, e lá se conta que ela foi criada para ilustrar um artigo onde se explorava o reaproveitamento artístico que os criadores americanos davam aos símbolos obsoletos da antiga União Soviética. Na imagem, Lenine tenta apanhar um Táxi em Nova Iorque, com o edifício da Chrysler em fundo (como se fosse um daqueles gigantes moscovitas...), enquanto a bandeira vermelha ondeia livremente, mas... com o símbolo da McDonald’s.

Esta capa não revela apenas (como se fosse pouco...), talento e génio criativo. Ela mostra como o humor e a ironia estão sempre ao lado da inteligência. Olha-se para esta imagem e há um mundo infinito de reflexões por fazer...
publicado por PRD às 02:44
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 3 de Julho de 2008

...

 

 

Se clicar na imagem, amplia-a e consegue ler esta crónica notável de Vasco Pulido Valente publicada no clássico “Cinéfilo” em Fevereiro de 1974. Ou seja, há 34 anos...

À circunstância de ter escolhido esta crónica, e não outra, não é alheio o facto de me ter rido a bom rir com a polémica entre Maria Teresa Horta e o “Inimigo Público”...

Resta dizer que o “Cinéfilo” – um dias destes reproduzo umas capas da época – tinha a seguinte equipa:

Director: Fernando Lopes
Chefe e Redacção: António-Pedro Vasconcelos

Entre redactores e colaboradores, além de VPV, João César Monteiro, José Nuno Martins, Adelino Tavares da Silva, Eduardo Guerra Carneiro, José Ribeiro da Fonte, James Anhanguera, entre outros. Um luxo. Infelizmente irrecuperável nos tempos que correm...

publicado por PRD às 01:14
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

nota

Clique nas imagens para ver em tamanho maior.

links

mais sobre mim

pesquisar

Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

arquivos

Setembro 2013

Maio 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

favoritos

Leituras de sábado

Declaração de voto

Seis anos já cá cantam.

Na melhor revolução cai a...

blogs SAPO

subscrever feeds