Quinta-feira, 26 de Junho de 2008

...

 

 
DA SÉRIE ALMANAQUE ALENTEJANO (II)
 

“A mulher rural alentejana caminha sem hesitações pela estrada da vida, conhece todos os segredos do campo e executa as mais duras e exaustivas tarefas”.

 
In Almanaque Alentejano, 1970

“Enciclopédia Anual de Informações Úteis e Assuntos Culturais”

Obra editada por Fausto Gonçalves e patrocinada pela Casa do Alentejo

publicado por PRD às 21:13
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 24 de Junho de 2008

...

 

 
DA SÉRIE “REVISTAS QUE ME FAZEM FALTA” (III)

 

Sei que nasceu na ultima década do século XX e que morreu algures entre 2004 e 2006. Não sei mais nada. Mas a “Gulliver” italiana era uma das minhas revistas de viagens favoritas, porque apostava nos estilos de vida, numa ideia hedonista de vida aplicada às viagens, à gastronomia, ao conhecimento.

Nesse sentido, misturava com frequência moda e turismo, preocupava-se com o prazer (fosse ele o prazer de ver ou de sentir...). E cultivava o gosto também no grafismo, nas produções fotográficas, nos dossiers. Não era a revista perfeita de viagens – mas andava lá muito perto. Um dia deixei de a encontrar nas bancas portuguesas. Pouco tempo depois percebi que tinha fechado.

publicado por PRD às 15:09
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 19 de Junho de 2008

...

 

 
DA SÉRIE ALMANAQUE ALENTEJANO (I)

 

“Sozinha, a mulher rural alentejana entrega-se aos seus hábitos, aos seus costumes e atola-se, e embrenha-se, confiante e descontraída, no seu mundo silencioso, sem chagas infamantes, sem podridões vergonhosas, mundo de sonho, cheio de poesia e de paz, que assimilou e enriquece com as fórmulas duma vida simples e honesta”.

 
In Almanaque Alentejano, 1970

“Enciclopédia Anual de Informações Úteis e Assuntos Culturais”

Obra editada por Fausto Gonçalves e patrocinada pela Casa do Alentejo

publicado por PRD às 13:51
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Junho de 2008

...

 

 

Numa altura em que o Mni é relançado e se torna ícone de moda, eis o pior anuncio jamais criado em Portugal para um automóvel de sucesso...

Estávamos em Maio de 1974 – ok, havia desculpa... – e aos criativos da “Publifirma” deve ter sido pedida inspiração revolucionária, ou pelo menos democrática. Vai daí, o trocadilho do “mini” e do “ministro”, e o texto exemplar: “Tenha um bom «ministro» na economia do seu transporte e eleja um Míni para si! Com um Míni nunca mais pensará: «Ainda anteontem meti trezentos escudos e já não tenho gasolina!» Porque o Míni dá-lhe uma total tranquilidade em matéria de economia de consumo. E em espaço para arrumar? Outra economia notável. E economia de trânsito? Nunca um Míni faz aumentar uma bicha! Economize com o seu Míni. Um verdadeiro «ministro» a zelar por si e pela sua economia”.

Mau demais, mesmo nos alvores da revolução...
 

(a digitalização não é brilhante, mas foi feita a partir de uma edição do Diário de Lisboa em formato tablóide...)

publicado por PRD às 02:52
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 13 de Junho de 2008

...

 

 
DA SÉRIE “REVISTAS QUE ME FAZEM FALTA” (II)
 

Na primeira vaga de fundo da Internet, tudo era negócio e tudo se traduzia em milhões. Depois, foi o que se viu. Nesse tempo distante (para aí há dez anos...), já se sabia que entre papel impresso e edições online iria haver um interessante namoro, ou mesmo casamento. Mas o tempo era de experimentar – e foi isso que o casal Rufus Griscom e Genevieve Field fizeram. Em 1997 tinham criado, com enorme sucesso, um site sobre sexo. Ao contrário da generalidade dos sites com esta temática, não havia aqui pornografia nem anúncios idiotas de “escort girls” e coisas desse género. Nada disso: ali pensava-se e reflectia-se sobre sexo, escrevia-se com inteligência, humor e ironia sobre a matéria, e editavam-se notáveis portfolios fotográficos sobre o corpo, o erotismo, o sexo. Em pouco tempo o site cresceu, ganhou áreas interactivas, e ensaiou rentabilizar-se com publicidade e assinaturas. O entusiasmo foi tal que Rufus e Genevieve deram um passo mais ousado: transformaram o supra-sumo das matérias do site numa revista mensal de venda em banca. Assim nasceu a Nerve, cuja capa da edição de Dezembro de 2000 aqui reproduzo.

A revista, sendo naturalmente menos dinâmica e animada do que o site, era ainda assim uma excelente aproximação ao que poderia ser uma revista dedicada ao sexo que ficaria bem na sala de qualquer família liberal (depois das crianças se deitaram, é claro...). Era uma boa revista com bons artigos, humor, fotografia, ficção – tudo à volta desse infindável tema... Infelizmente, a “Nerve” impressa revelou-se mais cara do que o site, menos rentável, e sem futuro: morreu em 2001. O site continua, 11 anos depois, um caso de sucesso na net – o que faz pensar sobre o estado actual dos media impressos face ao mundo de informação na rede.

Enquanto pensa nas lições desta história, experimente então www.nerve.com ...

publicado por PRD às 21:20
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 10 de Junho de 2008

...

 

Vá lá saber-se porquê, esta noite lembrei-me desta capa, e desta semana de há 14 anos...

Eu estava a preparar o meu casamento, o que me deixava um pouco indiferente a guerras de rua, mas nem por isso deixei de ajudar a conceber a capa da primeira edição especial que a Visão produziu. O "buzinão da ponte". Em Junho de 2004. A "era Cavaco Silva", como lhe chamávamos naquela semana, estava a chegar ao fim. Do primeiro acto, é bom de ver. José Sócrates pensará nisto agora?

Enfim, foi destes momentos que me lembrei enquanto via as noticias dos camionistas por aí...

publicado por PRD às 01:14
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 5 de Junho de 2008

...

 

 

Antes da “Nova Gente” havia a Gente, que não resistiu ao 25 de Abril, apesar de uma tímida tentativa de conversão ao novo jet-set militar e político. Vai daí Jacques Rodrigues pegou no titulo, rebaptizou-o, e lançou-se no mercado em Setembro de 1976, fazendo companhia a outras três revistas do mesmo empresário: “Mulher Moderna”, “Florbela” e “Cigarra”, todas com as suas “fotonovelas completas”. Esta era a capa do primeiro número da “Nova Gente”, que custava 20 escudos, tinha 52 páginas e misturava Lurdes Norberto com Mão Tse Tung, Mário Soares com Nádia Comaneci. Havia até artigos de opinião não assinados, como aquele em que, sobre os 70 minutos que Mário Soares, então primeiro-ministro, ocupara a falar à nação e a pedir “Trabalhar e poupar”, a revista escreve: “Não desesperemos, mas não adormeçamos no Cântico de Sereias!”.

Vera Lagoa é a entrevistada central da edição – e da leitura da entrevista releva uma mulher socialista, injustamente acusada de ser fascista nos anos 74 e 75...

publicado por PRD às 12:46
link do post | comentar | favorito
Domingo, 1 de Junho de 2008

...

 

Ontem tropecei num dossier onde guardo restos dos tempos de Liceu. Testes, notas, cartas de amigos e de amores, bilhetes de espectáculos, facturas dos jantares de aniversários, etc.. Descobri que tenho alguns dias juvenis do meu passado descritos em pormenor no meio de diários que julgava reunirem apenas poesia infantiloíde e desabafos da idade do armário...

No meio de memórias com quase 30 anos, encontro estes três bilhetes de cinema. Para o cinema Berna, uma sala de média dimensão com plateia e balcão (estes bilhetes, de 100 escudos cada, eram para o balcão). Sessão das 21:30 de 4ª feira, 19 de Agosto de 1981. Tinha 17 anos. Fui com a A. e a A. ver “Gente Vulgar” (Ordinary People), o filme que marcou a estreia como realizador de Robert Redford. Ganhou um generoso numero de Óscares, tinha no elenco Donald Sutherland, Mary Tyler Moore, Timothy Hutton, entre outros, e contava a história dramática da morte de um filho numa família “normal” e de tudo o que daí decorre nas relações dentro e fora daquele circulo.

A seguir ao filme, devemos ter ido comer um prego e beber uma imperial ao Paco. Se havia dinheiro, claro. Senão, autocarro para casa - elas para a Estrada da Luz, eu para o Campo Grande.

Uns anos mais tarde, o Cinema Berna, que ficava encostado à Igreja de Nossa Senhora de Fátima, na Marquês de Tomar, fechou. Foi lá que se instalou a primeira redacção e o primeiro estúdio da TVI.

Tenho uma memória de galinha. Mas olho para estes bilhetes, o design, o logótipo, a textura do papel e a impressão em tipografia, e parece que me lembro de tudo.


publicado por PRD às 02:36
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

nota

Clique nas imagens para ver em tamanho maior.

links

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 17 seguidores

pesquisar

Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

arquivos

Setembro 2013

Maio 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

blogs SAPO

subscrever feeds